Esperança do Advento - Um Blog Cheio de Esperança

Esperança do Advento - Um Blog Cheio de Esperança

quarta-feira, 28 de junho de 2017

A TECNOLOGIA DE DEUS

O sábado foi feito para servir as pessoas, e não as pessoas para servirem o sábado. Marcos 2:27
“O celular foi feito para servir às pessoas, e não as pessoas para servirem ao celular.” É possível que você conheça alguém que não desgruda do smartphone, deixa de comer, de interagir com a família e vive isolado no mundo virtual.
A coisa é tão séria que virou doença: nomofobia. Essa palavra diferente é a abreviação de no-mobile, mais o termo fobiaisto é, medo de ficar sem celular. Palpitações, sensação de angústia e ansiedade são alguns dos sintomas dos viciados. Além disso, o uso desregrado do “bendito” aparelho pode atrapalhar os estudos, trabalho e relacionamentos. Criado como uma incrível ferramenta de comunicação e informação; para muitas pessoas, o smartphone se tornou um vício escravizante.
Não é de agora que o ser humano inverte a ordem das coisas. Deus criou uma maravilhosa “tecnologia” chamada sábado. Ele desenvolveu o “hardware”, que é o sétimo dia, e o “software”, que é o conceito de descanso semanal. Com essa incrível “ferramenta”, o ser humano pode se relacionar melhor com o Criador, estar mais próximo da família e desfrutar as belezas da natureza.
No tempo de Jesus, os líderes religiosos estavam como que doentes e viciados na guarda legalista do sábado. Em vez de se alegrarem nesse dia e o usarem para abençoar os outros, eles faziam o sétimo dia virar um peso terrível para eles e para os demais.
Só para você ter ideia, eles não cuspiam no sábado, porque acreditavam que, com isso, estavam regando a terra ou fazendo barro, que poderia virar tijolo. Não tomavam banho e só andavam a distância de um tiro de pedra. O sábado, que foi feito para abençoar, tornou-se uma maldição para essas pessoas.
No entanto, no versículo de hoje, Jesus confirma que o sábado foi criado por Deus e dado à humanidade como uma bênção. O uso errado que os fariseus faziam desse dia não invalida a verdade de que recebemos esse presente do Criador e de que precisamos usufruir essa bênção.
O sábado não é de uma nação ou igreja específicas. Ele foi feito para a humanidade. A cada semana, esse dia maravilhoso abre um portal de bênçãos para todos que creem em Jesus e obedecem a seus mandamentos. Permita, então, que essas 24 horas sagradas o sirvam e encham sua vida de beleza, paz e alegria.
Fonte/Base: http://inspiracaojuvenil2017.blogspot.com.br/2017/05/a-tecnologia-de-deus.html

terça-feira, 27 de junho de 2017

SAULO EM DAMASCO

Ilustração: Google Imagens
Sobre o que, indo então a Damasco, com poder e comissão dos principais dos sacerdotes, ao meio-dia, ó rei, vi no caminho uma luz do céu, que excedia o esplendor do sol, cuja claridade me envolveu a mim e aos que iam comigo. Atos 26:12,13

Durante seu encontro com Jesus, Saulo ficou cego e foi instruído a ir à casa de um homem chamado Judas. Ali ele deveria aguardar a visita de Ananias. Sem dúvida, a cegueira física de Saulo foi um poderoso lembrete da cegueira espiritual, mais ampla, que o havia levado a perseguir os seguidores de Jesus.
Quando Jesus Se manifestou a ele na estrada de Damasco, tudo mudou. Nas questões sobre as quais Saulo pensava que tinha toda a razão, ele estava completamente equivocado. Em vez de trabalhar para Deus, havia trabalhado contra Ele. Quando entrou em Damasco, Saulo era um homem diferente do orgulhoso e zeloso fariseu que havia saído de Jerusalém. Em vez de comer e beber, passou seus primeiros três dias em Damasco jejuando, orando e refletindo sobre tudo o que tinha acontecido.
Leia Atos 9:10-14. Imagine o que deve ter passado na mente de Ananias: Saulo, o perseguidor, não era apenas um seguidor de Jesus, mas também se tornou Paulo, o apóstolo escolhido por Deus para levar o evangelho aos gentios (At 26:16-18)!
Não é de admirar que Ananias estivesse um tanto confuso. Se a igreja em Jerusalém estava hesitante em aceitar Paulo cerca de três anos após sua conversão (At 9:26-30), podemos imaginar as dúvidas e preocupações que enchiam o coração dos fiéis em Damasco, somente alguns dias depois do evento!
Observe também que Ananias recebeu uma visão do Senhor, mostrando-lhe a notícia surpreendente e inesperada sobre Saulo de Tarso. Talvez nenhuma outra coisa que não fosse uma visão o tivesse convencido de que aquelas informações acerca de Saulo eram verdadeiras e de que o inimigo dos cristãos judeus havia se tornado um deles.
Saulo tinha saído de Jerusalém com poder e autorização dos principais sacerdotes para acabar com a fé cristã (At 26:12). No entanto, Deus tinha uma missão bastante diferente para Saulo, apoiada numa autoridade muito maior. Saulo devia levar o evangelho ao mundo gentílico, uma ideia que, para Ananias e os outros fiéis judeus, deve ter sido ainda mais chocante do que a própria conversão de Saulo.
Onde Saulo havia procurado impedir a propagação da fé cristã, Deus o usaria para disseminá-la muito além do que os cristãos judeus poderiam imaginar.
Leia 1 Samuel 16:7, Mateus 7:1 e 1 Coríntios 4:5. Por que devemos ter cuidado ao avaliar a experiência espiritual de outras pessoas? Que erros temos cometido em nosso julgamento sobre os outros? O que temos aprendido com esses erros?


Fonte/Base: http://mais.cpb.com.br/licao/paulo-apostolo-dos-gentios/

segunda-feira, 26 de junho de 2017

ADORAÇÃO E FIDELIDADE NO TEMPO DO FIM NA IASD-BOA ESPERANÇA

Tendo Jesus se assentado no monte das Oliveiras, os discípulos dirigiram-se a ele em particular e disseram: "Dize-nos, quando acontecerão essas coisas? E qual será o sinal da tua vinda e do fim dos tempos? " Mateus 24:3

A IASD-Boa Esperança – berço do adventismo em Camocim, viveu o último final de semana bastante espiritual e movimentado com a participação de irmãos e amigos convidados na programação especial de Mordomia Cristã: ADORE – Adoração e Fidelidade no Tempo do Fim, com o tema: EVENTOS FINAIS. O evento aconteceu na noite da sexta-feira (23), na manhã do sábado (24) e o encerramento ocorreu na noite do domingo (25), tendo os Anciãos de Igrejas como Palestrantes que pregaram na seguinte ordem: Irmão Marinho com a palestra – O Tempo do Fim; Irmão Joel com a palestra – A Igreja nos últimos Dias e o Irmão José Carlos com a palestra – Não olhe para trás. Todas as mensagens tiveram como texto bíblico base o capítulo 24 do evangelho de Mateus. Foi um final de semana de crescimento espiritual para os fiéis cristãos adventistas do sétimo dia da IASD-Boa Esperança e para os amigos convidados. Foi uma bênção!


Os editores

domingo, 25 de junho de 2017

O ALCANCE DA MISERICÓRDIA DO ALTÍSSIMO PAI

As misericórdias do Senhor são a causa de não sermos consumidos, porque as suas misericórdias não têm fim; Novas são a cada manhã; grande é a tua fidelidade.
Lamentações 3:22,23

Ellen G. White no livro O grande conflito, p. 36 diz o seguinte: “Não podemos saber quanto devemos a Cristo pela paz e proteção de que gozamos. É o poder de Deus que impede que a humanidade passe completamente para o domínio de Satanás. Os desobedientes e ingratos têm grande motivo de gratidão pela misericórdia e longanimidade de Deus, que contém o cruel e pernicioso poder maligno. Quando, porém, os homens passam os limites da clemência divina, a restrição é removida. Deus não fica em relação ao pecador como executor da sentença contra a transgressão; mas deixa entregues a si mesmos os que rejeitam Sua misericórdia, para colherem aquilo que semearam. Cada raio de luz rejeitado, cada advertência desprezada ou desatendida, cada paixão contemporizada, cada transgressão da lei de Deus, é uma semente lançada, a qual produz infalível messe. O Espírito de Deus, persistentemente resistido, é afinal retirado do pecador, e então poder algum permanece para dominar as más paixões da alma, nenhuma proteção contra a maldade e inimizade de Satanás. A destruição de jerusalém constitui tremenda e solene advertência a todos os que estão tratando levianamente com os oferecimentos da graça divina e resistindo aos rogos da misericórdia de Deus. Jamais foi dado um testemunho mas decisivo do ódio ao pecador por parte de Deus, e do castigo certo que recairá sobre o culpado”.

sábado, 24 de junho de 2017

MARTINHO LUTERO E O LIVRO DE GÁLATAS

Se, porém, procurando ser justificados em Cristo descobrimos que nós mesmos somos pecadores, será Cristo então ministro do pecado? De modo algum! Gálatas 2:17

O mundo protestante se prepara a fim de celebrar o 500º aniversário da Reforma Protestante, iniciada quando Martinho Lutero, guiado pelo Espírito Santo, apresentou a milhões de pessoas verdades cruciais que estiveram ocultas sob séculos de superstição e tradição. Das páginas do livro de Gálatas (e do livro de Romanos) nascia o protestantismo há 500 anos! Ao ler a Epístola aos Gálatas, Martinho Lutero foi tocado pelas gloriosas boas-novas da justificação pela fé, a grande verdade que originou a Reforma Protestante e que libertou milhões de pessoas de equívocos teológicos e eclesiásticos. O que ele leu nesse livro o transformou e o mundo nunca mais foi o mesmo.
Séculos depois, graças ao estudo de Gálatas, E.J. Waggoner e A.T. Jones ajudaram a Igreja Adventista a redescobrir a verdade da justificação pela fé nos anos de 1880 e 1890.
O livro de Gálatas aborda temas fundamentais de uma forma diferente de todos os outros livros da Bíblia. Nessa epístola, Paulo falou sobre liberdade, a função da lei na salvação, nossa condição em Cristo, a natureza daquele que é guiado pelo Espírito, e a velha questão: Como homens pecadores podem se tornar justos diante de um Deus santo e justo? Essa pergunta, talvez mais do que qualquer outra, impulsionou Martinho Lutero em sua obra.
A abordagem de Gálatas é mais sucinta que a de Romanos, mas seus ricos temas foram escritos em tom pastoral, poderosamente apaixonado e pessoal, que toca os corações abertos ao Espírito de Deus.
Gálatas pode ser a carta mais antiga de Paulo, talvez escrita em 49 D.C., após o famoso concílio de Jerusalém (At 15).
Na lição da Escola Sabatina deste trimestre estudaremos os conceitos de Paulo sobre o falso evangelho e sua luta contra os falsos ensinos. Terremos a oportunidade de refletir sobre nossa própria compreensão das verdades que provocaram o rompimento de Martinho Lutero com Roma e a restauração do evangelho bíblico.
Fonte: Introdução da Lição da Escola Sabatina (adultos/aluno): O evangelho em Gálatas, jul.ago.set 2017, p.2.

sexta-feira, 23 de junho de 2017

FELIZ SÁBADO E ADORE!

Nosso Feliz Sábado de hoje é com imagens do primeiro dia do ADORE, um programa para fortalecer a espiritualidade da igreja com o Tema: Adoração e Fidelidade no Tempo do Fim, na IASD-Boa Esperança.







DEIXOU A MULTIDÃO PARA CUIDAR DE UM SÓ CORAÇÃO

E quando Jesus chegou àquele lugar, olhando para cima, viu-o e disse-lhe: Zaqueu, desce depressa, porque hoje me convém pousar em tua casa. Lucas 19:5

Observe como Jesus investia no discipulado e priorizava as pessoas. Ele deixou uma multidão para atender à mulher com fluxo de sangue, afastou-se dos discípulos para libertar o endemoninhado gadareno, deixou todos os compromissos para cuidar da mulher samaritana, afastou-se de seus seguidores para curar um cego em Betsaida, contou a parábola do bom samaritano para ilustrar o alcance do amor que se revela no cuidado pessoal, e viajou ao encontro de Lázaro para lhe devolver a vida, mesmo depois que ele estava sepultado havia quatro dias. A lista poderia ser maior, mas o caso de Zaqueu (Lc 19:1-10) é a “cereja do bolo” desses exemplos.
O momento marcante de sua história aconteceu enquanto a multidão se apertava ao redor de Jesus, tentando tocá-lo, vê-lo ou pelo menos ouvi-lo, mas Ele encontrou Zaqueu. Esqueceu a multidão, olhou para um galho de Sicômoro e se concentrou em uma única pessoa. Dedicou tempo especial, falou apenas com ele, ofereceu salvação específica às suas necessidades e cuidou de alguém que ninguém desejava cuidar.
Jesus sabia que a multidão estava murmurando. Poderia perder seguidores, ser criticado e desacreditado ou mesmo agredido, mas deixou a multidão para cuidar de um só coração. Dedicou tempo a Zaqueu, foi à sua casa, olhou em seus olhos, ouviu com interesse seus conflitos, acreditou em suas decisões, ofereceu a ele o que tinha de melhor, e a transformação aconteceu. Isso nos lembra que “nunca devemos deixar de trabalhar por uma pessoa enquanto houver um raio de esperança”, conforme ressalta Ellen White (A Ciência do Bom Viver, p. 168).
Precisamos repetir o exemplo de Cristo e dedicar atenção às pessoas, com gente cuidando de gente. É uma mudança de cultura e um desafio para líderes, pastores e membros. O grande crescimento da igreja exige de nós essa visão de discipulado. A pressão secularizadora nos cobra um cuidado mais pessoal. As carências emocionais e sociais destes dias não nos deixam outra saída, e a força dos eventos finais indica que é hora de termos uma igreja mais acolhedora, profunda, frutífera e feliz.
Para isso, precisamos conversar, orar e estudar mais sobre o tema, criar estratégias locais que nos tornem mais eficientes, estabelecer uma rede de discipulado em cada congregação onde existir gente cuidando de gente. Nosso desafio é cuidar de prédios, mas investir nas pessoas; cumprir a missão, mas salvar pessoas; abraçar projetos, mas desenvolver pessoas. Para que não se repita a história de Joyce Vincent, que, segundo o jornal inglês The Guardian, morreu e ficou três anos em seu apartamento sem que ninguém sentisse sua falta. Quando seu esqueleto foi encontrado, ainda estava no sofá com a televisão ligada!


Fonte/Base: Parte de um texto do Pr. Erton Köhler, Gente cuidando de gente, postagem completa em: http://www.revistaadventista.com.br/blog/2017/01/05/gente-cuidando-de-gente-2/