Esperança do Advento - Um Blog Cheio de Esperança

Esperança do Advento - Um Blog Cheio de Esperança

quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

PARA O ALVO

Uma coisa faço: esquecendo-me das coisas que para trás ficam e avançando para as que diante de mim estão, prossigo para o alvo, para o prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus. Filipenses 3:13.

Paulo fazia muitas coisas. Era professor sábio. Suas muitas cartas estão repletas de instrutivas lições, expondo princípios corretos. Trabalhava com as mãos, pois era fazedor de tendas, e desta maneira ganhava seu pão de cada dia. Sentia pesada responsabilidade pelas igrejas. Esforçava-se muito fervorosamente para apresentar aos membros os seus erros, a fim de que os pudessem corrigir, e não fossem enganados e desviados de Deus. Estava sempre procurando ajudá-los em suas dificuldades; e no entanto declara: “Uma coisa faço” (Filipenses 3:13). … Muitas eram as responsabilidades de sua vida, no entanto sempre tinha presente essa “uma coisa”. A constante intuição da presença de Deus constrangia-o a manter os olhos fitos em Jesus, Autor e Consumador de sua fé. Carta 135, 1897.
O grande propósito que constrangia Paulo a prosseguir em face das durezas e dificuldades, deveria levar cada obreiro cristão a consagrar-se inteiramente ao serviço de Deus. Atrações mundanas se apresentarão para afastar sua atenção do Salvador, mas ele deve prosseguir em direção ao alvo, mostrando ao mundo, aos anjos e aos homens que a esperança de ver a face de Deus compensa todos os esforços e sacrifícios que a concretização dessa esperança requer. Atos dos Apóstolos, pág. 484.
O mais humilde discípulo de Cristo pode tornar-se um habitante do Céu, herdeiro de Deus de uma herança incorruptível que não se esvaece. Oxalá todos escolham o dom celestial, tornando-se herdeiros de Deus daquela herança cujo título está resguardado contra todo e qualquer destruidor, um mundo sem fim! Oh! não escolhais o mundo, mas escolhei a herança superior! Apressurai-vos e prossegui com insistência em direção ao alvo, para o prêmio de vossa soberana vocação em Cristo Jesus. Fundamentos da Educação Cristã, pág. 235.
Logo testemunharemos a coroação de nosso Rei! Aqueles cuja vida esteve escondida com Cristo, os que na Terra combateram o bom combate da fé, resplandecerão com a glória do Redentor no reino de Deus. Vida e Ensinos, pág. 236.

Fonte: https://ligadonavideira.wordpress.com/2012/11/15/para-o-alvo/

quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

JESUS E BARRABÁS

Naquela ocasião estava preso um homem muito conhecido, chamado Jesus Barrabás. Mateus 27:16

Na Páscoa, um cordeiro morreu para que o filho condenado fosse salvo. Quando o anjo destruidor passou pelo Egito para cumprir a sentença mortal, a casa que estava com o sangue do cordeiro na porta não recebeu a terrível visita, e o primogênito foi poupado.
Em certo sentido, esse cenário se repetiu na Páscoa do ano 31, em Jerusalém. Pilatos queria livrar Jesus da morte e viu no costume de soltar um prisioneiro na Páscoa essa possibilidade. Então, ele perguntou à multidão: “Quem é que vocês querem que eu solte: Jesus Barrabás ou este Jesus, que é chamado de Messias?” (Mateus 27:17).
Barrabás era um terrível e sanguinário criminoso. Sua condenação era justa de acordo com as leis estabelecidas. Segundo Ellen White, “esse homem afirmara ser o Messias. […] Sob uma ilusão satânica, pretendia que tudo quanto pudesse obter por furtos e assaltos fosse seu. […] Sob a capa de entusiasmo religioso, era um endurecido e consumado vilão, dado à rebelião e à crueldade” (O Desejado de Todas as Nações, p. 733). Por isso, Pilatos estava convencido de que o povo preferiria que Jesus, e não Barrabás, fosse absolvido.
Contudo, o sentido verdadeiro da Páscoa entrou em cena e salvou o criminoso da morte. Como o versículo de hoje revela, Barrabás era xará de Jesus. Portanto, seu primeiro nome significa “Jeová salva”. Já o sobrenome, Barrabás, significa “filho do pai”. Assim, o sentido completo de seu nome, “Jeová salva o filho do pai”, faz referência à Páscoa, na qual Deus salva os filhos primogênitos de Israel a partir da oferta de um cordeiro inocente.
A multidão escolheu condenar Jesus e salvar Barrabás, coagida pelos líderes religiosos e instigada por Satanás. Entretanto, o que aquele povo não sabia era que o criminoso Barrabás, simbolizando todos nós, escaparia da morte porque Deus tinha resolvido sacrificar Jesus em lugar da humanidade.
Aquela foi a maior Páscoa de todas e, por isso, a última. Nela, o verdadeiro cordeiro foi morto, e Barrabás, absolvido. No ano 31, o sentido da Páscoa foi cumprido.
Somos todos Barrabás: culpados, condenados e sem esperança. Porém, o Cordeiro se ofereceu para morrer em nosso lugar. No sacrifício de Jesus, o nome de um dos mais odiados criminosos da história encontrou seu verdadeiro significado. Naquela Páscoa, Jeová salvou os filhos do Pai. Eu e você.

Fonte: http://mais.cpb.com.br/meditacao/jesus-barrabas/

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

ASSIM DIZ O SENHOR SOBRE OS FALSOS PROFETAS

Acautelai-vos, porém, dos falsos profetas, que vêm até vós vestidos como ovelhas, mas, interiormente, são lobos devoradores.
Mateus 7:15



Quanto aos profetas, já o meu coração está quebrantado dentro de mim; todos os meus ossos estremecem; sou como um homem embriagado, e como um homem vencido de vinho, por causa do Senhor, e por causa das suas santas palavras.
Porque a terra está cheia de adúlteros, e a terra chora por causa da maldição; os pastos do deserto se secam; porque a sua carreira é má, e a sua força não é reta.
Porque tanto o profeta, como o sacerdote, estão contaminados; até na minha casa achei a sua maldade, diz o Senhor.
Portanto o seu caminho lhes será como lugares escorregadios na escuridão; serão empurrados, e cairão nele; porque trarei sobre eles mal, no ano da sua visitação, diz o Senhor.
Nos profetas de Samaria bem vi loucura; profetizavam da parte de Baal, e faziam errar o meu povo Israel.
Mas nos profetas de Jerusalém vejo uma coisa horrenda: cometem adultérios, e andam com falsidade, e fortalecem as mãos dos malfeitores, para que não se convertam da sua maldade; eles têm-se tornado para mim como Sodoma, e os seus moradores como Gomorra.
Portanto assim diz o Senhor dos Exércitos acerca dos profetas: Eis que lhes darei a comer losna, e lhes farei beber águas de fel; porque dos profetas de Jerusalém saiu a contaminação sobre toda a terra.
Assim diz o Senhor dos Exércitos: Não deis ouvidos às palavras dos profetas, que entre vós profetizam; fazem-vos desvanecer; falam da visão do seu coração, não da boca do Senhor.
Dizem continuamente aos que me desprezam: O Senhor disse: Paz tereis; e a qualquer que anda segundo a dureza do seu coração, dizem: Não virá mal sobre vós.
Porque, quem esteve no conselho do Senhor, e viu, e ouviu a sua palavra? Quem esteve atento à sua palavra, e ouviu?
Eis que saiu com indignação a tempestade do Senhor; e uma tempestade penosa cairá cruelmente sobre a cabeça dos ímpios.
Não se desviará a ira do Senhor, até que execute e cumpra os desígnios do seu coração; nos últimos dias entendereis isso claramente.
Não mandei esses profetas, contudo eles foram correndo; não lhes falei, contudo eles profetizaram.
Mas, se estivessem estado no meu conselho, então teriam feito o meu povo ouvir as minhas palavras, e o teriam feito voltar do seu mau caminho, e da maldade das suas ações.
Porventura sou eu Deus de perto, diz o Senhor, e não também Deus de longe?
Esconder-se-ia alguém em esconderijos, de modo que eu não o veja? diz o Senhor. Porventura não encho eu os céus e a terra? diz o Senhor.
Tenho ouvido o que dizem aqueles profetas, profetizando mentiras em meu nome, dizendo: Sonhei, sonhei.
Até quando sucederá isso no coração dos profetas que profetizam mentiras, e que só profetizam do engano do seu coração?
Os quais cuidam fazer com que o meu povo se esqueça do meu nome pelos seus sonhos que cada um conta ao seu próximo, assim como seus pais se esqueceram do meu nome por causa de Baal.
O profeta que tem um sonho conte o sonho; e aquele que tem a minha palavra, fale a minha palavra com verdade. Que tem a palha com o trigo? diz o Senhor.
Porventura a minha palavra não é como o fogo, diz o Senhor, e como um martelo que esmiúça a pedra?
Portanto, eis que eu sou contra os profetas, diz o Senhor, que furtam as minhas palavras, cada um ao seu próximo.
Eis que eu sou contra os profetas, diz o Senhor, que usam de sua própria linguagem, e dizem: Ele disse.
Eis que eu sou contra os que profetizam sonhos mentirosos, diz o Senhor, e os contam, e fazem errar o meu povo com as suas mentiras e com as suas leviandades; pois eu não os enviei, nem lhes dei ordem; e não trouxeram proveito algum a este povo, diz o Senhor.
Jeremias 23:9-32

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

CRISTO E A LEI

Porque o fim da Lei é Cristo, para a justificação de todo o que crê. Romanos 10:4

Leia Romanos 10:1-4. Qual é a mensagem desses versos? Reflita sobre como poderíamos, hoje, correr o risco de procurar
estabelecer nossa “própria justiça”.
Devemos nos sujeitar à justiça de Deus, pois não temos justiça em nós mesmos.
O legalismo pode vir de muitas formas, algumas mais sutis do que outras. Aqueles que olham, mesmo com as melhores intenções, para si mesmos, para suas boas ações, dieta, estrita observância do sábado, todas as coisas ruins que não fazem, ou as coisas boas que já alcançaram, estão caindo na armadilha do legalismo. Em cada momento da nossa vida, devemos manter diante de nós a santidade de Deus em contraste com nossa pecaminosidade; esse é o meio mais seguro de nos proteger do tipo de pensamento que leva as pessoas a buscar sua “própria justiça”, contrária à justiça de Cristo.
Romanos 10:4 é um texto importante que capta a essência de toda a mensagem de Paulo aos romanos. Primeiramente, precisamos conhecer o contexto. Muitos judeus estavam “procurando estabelecer a sua própria [justiça]” (Rm 10:3) e buscando “a justiça decorrente da lei” (Rm 10:5). Porém, com a vinda do Messias, o verdadeiro caminho da justiça foi apresentado. A justiça foi oferecida a todos que fixassem sua fé em Cristo. Jesus era Aquele para quem o antigo sistema cerimonial apontava.
Mesmo que alguém inclua, nesses versos, os Dez Mandamentos na definição de lei, isso não significa que eles foram eliminados. A lei moral mostra nossos pecados, falhas, fraquezas e, assim, leva-nos à nossa necessidade de um Salvador, de perdão, de justiça (sendo todas essas coisas encontradas somente em Jesus). Nesse sentido, Cristo é o “fim” da lei, no sentido de que ela nos leva a Ele e à Sua justiça. A palavra grega para “fim” aqui é telos, que também pode ser traduzida como “meta” ou “propósito”. Cristo é o propósito final da lei, no sentido de que ela deve nos levar a Jesus.
Entender que esse texto ensina que os Dez Mandamentos, ou especificamente o quarto mandamento, tornaram-se inválidos, é tirar uma conclusão contrária a grande parte daquilo que Paulo e o Novo Testamento ensinam.

Fonte: http://mais.cpb.com.br/licao/os-eleitos/

domingo, 10 de dezembro de 2017

PALAVRAS DO FILHO DO ALTÍSSIMO

Não os deixarei órfãos; voltarei para vocês.
João 14:18

Não se perturbe o coração de vocês. Creiam em Deus; creiam também em mim.
Na casa de meu Pai há muitos aposentos; se não fosse assim, eu lhes teria dito. Vou preparar-lhes lugar.
E se eu for e lhes preparar lugar, voltarei e os levarei para mim, para que vocês estejam onde eu estiver.
Vocês conhecem o caminho para onde vou".
Disse-lhe Tomé: "Senhor, não sabemos para onde vais; como então podemos saber o caminho? "
Respondeu Jesus: "Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai, a não ser por mim.
João 14:1-6

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

ELEITO PARA OBEDECER A PALAVRA

Sejam praticantes da palavra, e não apenas ouvintes, enganando-se a si mesmos. Tiago 1:22

 “Há uma eleição de indivíduos e de um povo, a única eleição encontrada na Palavra de Deus, em que um homem é escolhido para a salvação. Muitos têm olhado para o fim, pensando terem sido certamente eleitos para a glória celestial; mas não é essa a eleição que a Bíblia revela. O homem é escolhido para operar a sua salvação com temor e tremor. É escolhido para usar a armadura, para pelejar a boa peleja da fé. É escolhido para usar os meios que Deus colocou ao seu alcance para lutar contra todo desejo profano, enquanto Satanás executa o jogo da vida por ele. É escolhido para vigiar em oração, para examinar as Escrituras e evitar entrar em tentação. É eleito para ter fé continuamente, é eleito para ser obediente a cada palavra que procede da boca de Deus, para que não seja apenas ouvinte, mas praticante da Palavra. Essa é a eleição bíblica” (Ellen G. White, Testemunhos Para Ministros e Obreiros Evangélicos, p. 453, 454).

quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

O TRABALHO MAIS LEGAL DO MUNDO

Vocês são a geração eleita, os sacerdotes do Rei, uma nação separada, o próprio povo de Deus, escolhidos para proclamar as maravilhas que Ele faz, os que foram chamados das trevas para a Sua maravilhosa luz. I Pedro 2:9

Essas foram algumas das palavras da primeira carta de Pedro aos cristãos. Que privilégio e que responsabilidade fazer parte desse povo!… Ser chamado de acordo com o propósito de Deus, o Pai, e ser separado pelo Espírito Santo para obedecer a Jesus Cristo. Você consegue se enxergar assim? Conheço e tenho convivido com alguns que levam a vida sob este lema.
Reli a primeira carta de Pedro há algumas semanas, e, enquanto sublinhava o segundo verso do primeiro capítulo e o nono verso do segundo capítulo, vinha à minha mente o nome de pessoas que conheci e que se encaixam perfeitamente com a descrição. O que elas tinham em comum? Todas são voluntárias a serviço de Deus. Estudantes, advogados, professores, nutricionistas, psicólogos, médicos, marceneiros, pedreiros, eletricistas, arquitetos, aposentados, engenheiros, administradores, dentistas, juristas, enfermeiros, educadores, funcionários públicos e até um perito criminal.
Desde 2013, tenho encontrado pessoas de todas as faixas etárias e diferentes formações descobrindo-se como povo de Deus, sentindo-se, realmente, separados, parte da geração eleita. Pessoas que, ao servir usando seus próprios recursos e talentos, todos dados por Deus, reencontraram seu propósito de vida como cristãos.
Dedicar um, dois, ou três anos de vida para servir a uma instituição ou em outro país; trabalhar o ano todo esperando seus merecidos 30 dias de férias, e usar 21, ou todos eles, para carregar tijolos, pintar paredes e continuar trabalhando, mas de graça e em nome de Deus, para atender a quem precisa, é próprio de uma geração eleita. Só faz sentido para o povo de Deus! Acredite, está cada vez mais desafiante encontrar pessoas realmente dispostas a viver assim. Mas não tenha dúvidas de que os que se identificam com essa geração são parte dela por toda a vida.
Hoje, dia 05 de dezembro, é o dia internacional do voluntário, que, para nós, povo de Deus, tem um significado ainda maior. A geração eleita de voluntários de que estou falando serve ao Rei do Universo. Não há trabalho mais recompensador e transformador do que esse! Louvo a Deus por ter o privilégio de trabalhar entre eles aqui, no Egito.
Você também pode fazer parte desse grupo. O convite está aberto porque ainda há trabalho a ser feito! Acesse aqui.
Ana Paula Ramos

Fonte: http://noticias.adventistas.org/pt/coluna/ana-paula/o-trabalho-mais-legal-do-mundo/