Esperança do Advento - Um Blog Cheio de Esperança

Esperança do Advento - Um Blog Cheio de Esperança

quinta-feira, 25 de maio de 2017

QUAL É A PALAVRA MAIS DIFÍCIL?

Quem pode dizer que essas coisas não são assim? Será que alguém pode provar que não estou dizendo a verdade? Jó 24:25

Certos “amigos” já tentaram convencê-lo a fazer alguma coisa que você sabia que não devia porque não era certo? E aí você ouviu aquela frase batida: “Confie em mim, sou seu amigo, não sou? Não vou colocar você em uma fria!”
Muitas vezes, as pessoas insistem conosco para nos convencer a fazer algo que “todo mundo faz”, mas que, sabemos, desagrada a Deus. Há circunstâncias em que a palavra mais difícil de ser dita é “não”. Sabe, por trás de tudo que vai contra a orientação de Deus, existe o mal. Nesses momentos de tentação, precisamos ser fortes, corajosos e ter confiança em Jesus para dizer: “Não, eu não vou fazer tal coisa.”
As pessoas que não seguem os ensinamentos de Jesus têm um modo muito superficial de ver as coisas. Mas os motivos e valores que aprendemos de 
Jesus não variam com a moda nem com o tempo. Eles são inabaláveis e eternos. Como você pode se manter forte e corajoso para responder “não”? Estudando e praticando a Palavra de Deus.
Você pode fazer uma lista de assuntos que sabe que desagradam a Deus, e lê-la sempre. Poderá começar sua lista assim: direi “não” sempre que for tentado a mentir, fingir, responder mal aos mais velhos, cobiçar, fumar, e assim por diante. Dizer “não” é um direito seu, uma forma de honrar a si mesmo e uma forma de honrar a Deus. Muitas vezes, você precisará dizer “não”, para se sair bem na vida. Pratique dizer “não” sempre que necessário, e não se surpreenda se a vida disser “sim” para você e para sua felicidade!


Fonte:http://iasditapema.blogspot.com.br/p/inspiracao-juvenil.html

quarta-feira, 24 de maio de 2017

DEIXANDO O TABERNÁCULO

Também considero justo, enquanto estou neste tabernáculo, despertar-vos com essas lembranças, certo de que estou prestes a deixar o meu tabernáculo, como efetivamente nosso SENHOR Jesus Cristo me revelou” (2Pe 1:13, 14).
Em 1956, Oscar Cullman escreveu um breve estudo intitulado Imortalidade da alma ou ressurreição dos mortos? O testemunho do Novo Testamento. Ele argumentou que o conceito de ressurreição é incompatível com o da alma imortal. Além disso, ele afirmou que o Novo Testamento se posiciona inequivocamente ao lado da ressurreição dos mortos.
Nenhuma outra publicação minha”, escreveu ele posteriormente, “provocou tanto entusiasmo ou tão intensa hostilidade.”
De acordo com 1 Coríntios 15:12-57, o que acontece na morte?
Um estudo sobre morte e ressurreição no Novo Testamento tem convencido a maioria dos estudiosos do Novo Testamento de que Cullman tinha razão. O Novo Testamento, de fato, admite o conceito da ressurreição, não o de uma alma imortal que sobrevive à morte do corpo. Por exemplo, em 1 Tessalonicenses 4:16-18, Paulo encorajou os que haviam perdido pessoas queridas a consolarem uns aos outros com o fato de que, quando Jesus retornar, Ele ressuscitará os mortos. Em 1 Coríntios 15:12-57, Paulo descreveu extensivamente a ressurreição. Ele começou seu discurso destacando que a fé cristã está fundamentada na ressurreição de Jesus. Se Cristo não ressuscitou, então qualquer fé nEle é inútil. No entanto, Paulo afirmou que Ele realmente ressurgiu dos mortos, como as primícias dos que dormem. Sua ressurreição possibilita que ressurjam também aqueles que estão nEle.
Em 1 Coríntios 15:35-50, Paulo falou sobre o corpo ressuscitado, comparando-o ao nosso corpo atual. O que temos agora morrerá; o que receberemos por ocasião da ressurreição, jamais!
Em suma, ao discorrer sobre a morte, o Novo Testamento fala em termos da ressurreição, não da imortalidade da alma. É importante que tenhamos esse pano de fundo ao ler 2 Pedro 1:12-14.
Fonte: http://www.escolasabatinaonline.com.br/deixando-o-tabernaculo/

terça-feira, 23 de maio de 2017

PRECIOSO SANGUE

Levanta-te! Socorre-nos! Resgata-nos por causa da tua fidelidade. Salmos 44:26

Pois vocês sabem que não foi por meio de coisas perecíveis como prata ou ouro que vocês foram redimidos da sua maneira vazia de viver que lhes foi transmitida por seus antepassados,mas pelo precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro sem mancha e sem defeito, 1 Pedro 1:18,19
Fonte: https://www.bibliaonline.com.br/nvi

segunda-feira, 22 de maio de 2017

AMOR, O ALVO DAS VIRTUDES CRISTÃS

O amor nunca falha; mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá; 1 Coríntios 13:8

Leia 2 Pedro 1:5-7Romanos 5:3-5Tiago 1:3, 4 e Gálatas 5:22, 23. Qual é o tema em comum nesses textos?  As virtudes cristãs.
Listar as virtudes era algo comum entre os filósofos da Antiguidade. Essas listas eram, muitas vezes, chamadas de “catálogo de virtudes”, e há vários exemplos delas no Novo Testamento (Rm 5:3-5Tg 1:3, 4Gl 5:22, 23). É bem provável que os leitores de Pedro estivessem familiarizados com tais listas, embora houvesse diferenças interessantes entre as listas dos filósofos e a do apóstolo. Intencionalmente, Pedro organizou sua lista em uma sequência, de maneira que cada virtude serve de base para a posterior, até que a lista culmina no amor.
Cada virtude mencionada por ele tem um significado importante:
Fé: Nesse contexto, a fé era a crença salvífica em Jesus Cristo (veja Gl 3:11Hb 10:38).
Virtude: No grego arête, virtude é qualquer boa qualidade, anunciada mesmo entre os filósofos pagãos. A fé é fundamental, mas deve levar a uma transformação de vida, na qual a virtude é expressa.
Conhecimento: Com certeza, Pedro não estava se referindo ao conhecimento em geral, mas àquele que vem de um relacionamento salvífico com Cristo Jesus.
Temperança/Domínio próprio: Cristãos maduros são capazes de controlar seus impulsos, especialmente aqueles que levam a excessos.
Paciência/Perseverança: É resistir, especialmente diante das provações e perseguições.
Piedade: No mundo pagão, a palavra traduzida nessa passagem como “piedade” referia-se ao comportamento ético que resultava da crença em um deus. No Novo Testamento, ela carregava também esse mesmo conceito, porém, como resultado da crença no único e verdadeiro Deus (1Tm 2:2, 3).
Fraternidade: Os cristãos são como uma família, e a piedade os levará a ser fraternos uns com os outros.
Amor: Pedro coroou sua lista com o amor. Suas palavras se assemelham às de Paulo: “Assim, permanecem agora estes três: a fé, a esperança e o amor. O maior deles, porém, é o amor” (1Co 13:13, NVI).
Qual é o papel do esforço humano para alcançar essas virtudes? (2Pe 1:5).
As virtudes não são naturais ao ser humano. Por isso, com a graça de Deus, precisamos fazer nossa parte para ter uma vida piedosa.
 Fonte/Base: http://www.escolasabatinaonline.com.br/amor-o-alvo-das-virtudes-cristas/

domingo, 21 de maio de 2017

QUEM FOI IRRACIONAL?

Pois uma jumenta falou com voz humana e acabou com a loucura do profeta. II Pedro 2:16.

Balaão estava pensando em todo o dinheiro que receberia dos reis de Moabe e Midiã se amaldiçoasse o povo de Israel. Mas o anjo do Senhor lhe apareceu e disse que ele não deveria ir. Inconformado, Balaão despediu os homens ao amanhecer. Estava visivelmente contrariado.
Quando Balaque soube que Balaão não aceitava a proposta, enviou pessoas ainda mais importantes e tesouros mais valiosos para convencê-lo.
Mesmo sabendo a posição de Deus, Balaão resolveu insistir. Disse aos príncipes que esperassem até o dia seguinte, pois ele iria consultar novamente ao Senhor. Deus disse: “Se amanhã cedo esses homens vierem lhe chamar, então você pode ir com eles. Mas você só vai fazer o que Eu disser”.
Balaão ficou tão eufórico que quase não consegui dormir à noite, esperando que amanhecesse logo o dia. Mas os mensageiros acabaram partindo sem ele. Contrariando a ordem divina, Balaão pegou seu animal e foi atrás deles. Num determinado trecho, a jumenta em que Balaão viajava se desviou do caminho. Ele ficou tão irado que espancou o animal, levando-o de volta à estrada. Um pouco mais à frente, o animal foi espancado ainda mais violentamente.
De repente, o animal ficou tão assustado que se deitou no chão. Balaão espancou sem piedade a jumenta. Ela, então, falou: “O que eu fiz para você me bater três vezes?” Sem raciocinar, Balaão respondeu: “Você está zombando de mim. Se eu tivesse uma espada, mataria você agora mesmo”. O falso profeta estava tão fora de si que nem se deu conta de que estava falando com um animal.
Quando os olhos de Balaão foram abertos, ele percebeu que a jumenta havia acabado de salvar sua vida, pois exatamente à sua frente estava um anjo com uma espada na mão.
Às vezes, a pessoa que insiste em desobedecer precisa tomar um susto para perceber o risco que está correndo. É sempre melhor obedecer a Deus na primeira vez que Ele nos pede.
Fonte: Inspiração Juvenil, O Resgate: A história da salvação humana contada dia a dia, Neila D. Oliveira. p. 147.

sábado, 20 de maio de 2017

FELIZ SÁBADO!

E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura.
Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado.


sexta-feira, 19 de maio de 2017

JESUS O CRISTO

A mulher disse-lhe: Eu sei que o Messias (que se chama o Cristo) vem; quando ele vier, nos anunciará tudo.
Jesus disse-lhe: Eu o sou, eu que falo contigo. João 4:25,26

Ao falar dos títulos de Jesus, “parece lógico começar com ‘Messias’, visto que a igreja cristã deve seu nome ao equivalente grego Christos, o ‘Ungido’. A palavra hebraica designa a figura do libertador a quem os judeus aguardavam e que seria o agente divino na inauguração de uma nova era para o povo de Deus. Tanto o termo grego como o hebraico derivam de raízes que significam ‘ungir’. É evidente que, ao chamar Jesus de ‘Cristo’, os escritores do Novo Testamento viam-O como alguém especialmente separado para uma tarefa específica.
“O título Christos ocorre mais de 500 vezes no Novo Testamento. Embora houvesse entre os contemporâneos de Jesus mais de um conceito de messianidade, geralmente se admite que, por volta do primeiro século, os judeus concebiam o Messias como alguém que possuía especial relacionamento com Deus. Ele surgiria no fim do tempo, quando o reino de Deus seria estabelecido. Era alguém por meio de quem Deus interviria na História para o livramento do Seu povo. Jesus aceitava o título de “Messias”, mas não encorajava seu uso, pois o termo encerrava conotações políticas que dificultavam o seu emprego. Embora relutasse em tirar proveito desse título em público para descrever Sua missão, Jesus não repreendeu Pedro (Mt 16:16, 17) nem a mulher samaritana (Jo 4:25, 26) quando o utilizaram. Ele sabia que era o Messias, conforme se deduz do relato de Marcos, onde Jesus afirma que receberia galardão quem desse de beber um copo de água a um de Seus seguidores, porque eles eram discípulos de Cristo (Mc 9:41)” (Tratado de Teologia Adventista do Sétimo Dia, p. 186).

Fonte/Base: http://www.escolasabatinaonline.com.br/estudo-adicional-75/